27.5.16

Por dentro do nº 97 da rua Orchard, o Tenement Museum






A Correspondente do Pottermore nos trouxe mais uma de suas experiências, dessa vez visitando o Tenement Museum, que serviu de inspiração na criação dos sets e cenários da Nova York dos anos 20 de Animais Fantásticos. Leia a nossa tradução abaixo.
__________________________________________________________________________

Se tem um lugar onde podemos ir para saber como era a vida na região nova-iorquina do Lower East Side, na década de 1920, esse lugar é o Museu Residencial, o Tenement Museum.

Antes de começar as filmagens em agosto de 2015, o diretor de Animais Fantásticos, David Yates, levou parte de sua equipe criativa em uma missão secreta de reconhecimento em Nova Iorque. Ele, o designer de produção Stuart Craig, e outras pessoas viajaram para Nova Iorque, para sentir sua arquitetura, suas dimensões, sua grandiosidade e sua tenacidade.

Eles foram para lá, primeiramente, em busca de inspiração, de forma que pudessem recriar sua própria Nova Iorque nos estúdios da Warner Bros em Leavesden, na Inglaterra.

Mas Nova Iorque não era a mesma cidade em 1926, o ano em que se passa Animais Fantásticos. O Empire State não existiria por mais quatro anos. Então David, Stuart e companhia deram as caras na rua Orchard, 97, no Lower East Side.




O Tenement Museum, um edifício de cinco andares com 20 apartamentos, onde os imigrantes moraram um dia. Vá para o apartamento certo e é como se tivesse voltado para os anos vinte.


A visita “Tempos Difíceis” (Hard Times) do museu enfoca dois apartamentos: um, no qual uma família judia-alemã chamada Gumpertz morou nos anos 1880, e o outro, onde morou a família ítalo-católica Baldizzi, na década de 1920.


No set de Animais Fantásticos, a influência desse lugar e essa viagem é óbvia. O exterior do apartamento de Jacob pôde ser diretamente modelado em um dos apartamentos desse prédio. As paredes de tijolo vermelho do apartamento dos Goldstein estão corretas. A pequena fileira de lojas no térreo dos prédios residenciais corresponde o original da época. A equipe de design de produção importou para o set, de forma impecável, os detalhes de uma era passada – qualquer historiador ficaria encantado.


Historiadora e vice-presidente do educativo e da programação do Tenement Museum, Annie Polland certamente ficará satisfeita quando assistir ao filme. Ela, melhor do que ninguém, sabe o quão bem conservados estão os apartamentos do museu, e, portanto, os quão úteis são.

“Se você contar a história de alguém através desse prédio de apartamentos, você começa a mergulhá-las no dia a dia dos imigrantes”, ela me conta. “Ao contrário de um local como a ilha Ellis, que você pode visitar e ver como poderiam ter sido as primeiras horas da chegada.

“Se você está olhando para um alojamento, está olhando para questões de há muito sobre como é se adaptar a um novo país, como é encontrar trabalho, como é resistir a depressões econômicas, como é reconstruir sua cultura. Então todas essas questões da longa duração podem ser examinadas em um alojamento, onde os imigrantes viveram de verdade”.


A década de 1920 foi complicada de muitas formas. Começou com uma esperança no pós-guerra, celebrou a paz, evoluiu sua cultura e, então, acabou na Grande Depressão. Foi racialmente complexa também, como Annie relata. O que é, talvez, um pano de fundo importante para Animais Fantásticos.

“Em 1926, ano em que nosso filme é ambientado, Nova Iorque não era tão populosa quanto havia sido”, diz ela. “O que aconteceu é que os Estados Unidos se sujeitaram a uma lei de imigração restritiva em 1924, que deixou muito mais difícil chegar e entrar aqui. Nova Iorque era uma cidade cosmopolita e muitas pessoas eram contra essa legislação – e muitos deles eram os próprios filhos de imigrantes, então eram muito mais solidários. Os filhos daqueles que imigraram para lá nos anos 1890, por exemplo, estavam chegando à idade adulta”.

Decido perguntar, por motivos óbvios, como um jovem cavalheiro inglês poderia ser tratado se chegasse em Nova Iorque nessa época. “Bem”, diz ela, sem perder o ritmo, “vocês falam com um sotaque tão bom. Realmente ajuda. As pessoas da Inglaterra não teriam problemas. Não acho que ela vivenciaria qualquer animosidade ou discriminação real”.

Decidi não dizer a Annie, nessa altura, que o jovem cavalheiro inglês é, na verdade, um bruxo chamado Newt Scamander e está carregando uma mala de criaturas. Ela descobrirá em novembro.


Para saber mais sobre o Tenement Museum, visite o site deles e os siga no Instagram ou no Twitter.

Tradução por: Amelina de Aquino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Recentes

recentposts

Leia também!

randomposts