Pages

Pottermore: O capítulo que nos fez cair de amores por... Luna Lovegood


Luna era um devaneio numa conversa séria, uma ideia diferente em meio ao comum, um exemplo de empatia e desdém com a opinião alheia. A primeira vez que apareceu nos livros, logo se tornou uma personagem favorita. Estava ali, representada, uma amiga que todos queriam ter. Confira nossa tradução direta do Pottermore, sobre o capítulo que nos fez apaixonar por ela:
_________________________________________________________________________________

Desde a primeira cena, Luna Lovegood chamou nossa atenção por bastante tempo.

Doce, inocente e peculiar, Luna era um respiro de ar fresco na turma de Hogwarts e nos deixou com uma ótima impressão, o que fez dela uma das personagens mais queridas da série...

“Começa a Segunda Guerra”

No final de Harry Potter e a Ordem da Fênix, Harry perdeu Sirius e ficamos com o coração partido mais uma vez. O capítulo “Começa a Segunda Guerra” foi importante por representar a queda ocorrida pela morte de Sirius e foi um momento onde um pouco de positividade pareceu possível.

Entra Luna. Depois que Harry escolheu não ir à Festa de Despedida, ele se deparou com Luna em um dos corredores de Hogwarts. Ela estava colando avisos pedindo para devolverem seus pertences, que, mais uma vez, haviam sido escondidos e Luna estava tipicamente calma com a situação.

Tendo acabado de perder Sirius, Harry não estava, inicialmente, com nenhum espírito para falar com ela, mas Luna estava, de maneira característica, calma e intrigante. De modo geral, era um breve encontro, porém muito crucial para o desenvolvimento de Luna e, até mesmo, de Harry.

- Por que é que você não está no banquete? - perguntou Harry.
- Bom, perdi a maior parte dos meus pertences - disse Luna serenamente. - As pessoas os apanham e escondem, entende. Mas como é a última noite, eu realmente preciso deles, então estou pregando avisos.
Ela indicou com um gesto o quadro de avisos, no qual, de fato, pregara uma lista com todos os livros e roupas desaparecidos, pedindo que lhe fossem devolvidos.
Uma sensação estranha nasceu em Harry; uma emoção bem diferente da raiva e da dor que o dominavam desde a morte de Sirius. Levou algum tempo até perceber que estava sentindo pena de Luna. (Harry Potter e a Ordem da Fênix)


Por que isso é importante

“Começa a Segunda Guerra” foi importante por nos dar um vislumbre da vida de Luna e um plano que não víamos antes. Detalhes sobre a vida de Luna em casa, seus pais e de quem ela era amiga estavam salpicados em toda a série, e em “Começa a Segunda Guerra” pela primeira vez Luna falou sobre sua mãe.

- Você já... - começou ele. - Quero dizer, quem... alguém que você conhecia morreu?
- Morreu - disse Luna com simplicidade-, minha mãe. Era uma bruxa extraordinária, entende, mas gostava de fazer experiências e um de seus feitiços um dia deu errado. Eu tinha nove anos. (Harry Potter e a Ordem da Fênix)

Por muito tempo Luna tinha sido a caixa de ressonância para muitos alunos de Hogwarts, especialmente Harry. Ela tinha uma ideia quase psíquica do que outras pessoas estavam vivenciando que quase sabia exatamente o que dizer. E isso nunca era insignificante ou clichê, era a verdade, e seu encontro com Harry após a morte de Sirius foi outro exemplo disso.

Como se poderia esperar de alguém cujo apelido era “Di-lua”, Luna era uma pessoa profundamente excêntrica, mas com uma empatia profunda. Sua capacidade de reconhecer a necessidade de conforto ou companhia do outro é o que a torna um personagem tão memorável e brilhante.


 O impacto exato do fato de Luna ter testemunhado a morte de sua mãe, Pandora, é desconhecido, mas Luna sempre parecia ser mais sábia apesar de sua idade. Parece que crescer sozinha com o pai deu a Luna uma abertura para o mundo e o poder de acreditar em coisas extraordinárias. Não é por menos que Harry, um garoto que enfrentou tanta morte e tragédia em sua vida, parecia confortável em falar apenas com Luna sobre a morte de Sirius. Sua aceitação melancólica da morte de sua própria mãe parecia acalmá-lo.

- ... O homem que os Comensais da Morte mataram era seu padrinho, não era? Gina me contou.Harry fez um breve aceno, mas descobriu que por alguma razão não se incomodava que Luna falasse de Sirius. Acabara de se lembrar que ela também via Testrálios. (Harry Potter e a Ordem da Fênix)

O otimismo de Luna e seu investimento em ideias ligeiramente fantasiosas foram o que permitiram que ela atingisse as pessoas quando elas mais precisavam de alguém como ela. Em “Começa a Segunda Guerra”, Luna disse que Harry veria Sirius novamente quando ele morresse, assim como ela veria sua mãe.

Foi algo edificante a se dizer quando Harry estava em uma situação tão triste. Não ignorou o fato de que Sirius tinha partido, mas deixou em Harry uma sensação de otimismo. Luna abriu a possibilidade de que ele veria seu padrinho novamente, e, enquanto fosse apenas uma possibilidade, representaria esperança.

Luna Lovegood foi uma garota que foi importunada e, em geral, maltratada por muitos alunos de Hogwarts. Mas ela nunca deixou que isso a impedisse de viver sua melhor versão. Luna andava por aí transmitindo o tipo de otimismo peculiar que imprimiu em Harry em “Começa a Segunda Guerra”, deixando as pessoas de seu entorno melhores.

E, em tempos negros, pessoas como Luna é exatamente o que precisamos.

Tradução: Amelina de Aquino
Post Author

Daniela Oliveira

Estudante de Arquitetura. Se você quer saber mais sobre ela, procure as características de uma verdadeira Corvina, pois, ela se encaixa em todas elas (foi o Pottermore que disse). Ama ler, e seu maior sonho é aparatar pelo mundo.

3 comentários: