Pages

Membros do elenco do Mundo Bruxo reagem a tweets de J.K. Rowling

Reprodução
Após os tweets de J.K. Rowling sobre pessoas trans no último sábado, diversos membros do elenco do Mundo Bruxo - de Harry Potter e Animais Fantásticos - emitiram declarações em resposta. 

Este post será atualizado caso outros membros do elenco se pronunciem, e até o presente momento, Daniel Radcliffe (Harry Potter), Chris Rankin (Percy Weasley), Evanna Lynch (Luna Lovegood), Eddie Redmayne (Newt Scamander), Emma Watson (Hermione Granger) e Bonnie Wright (Gina Weasley), se pronunciaram. Confira o que cada um disse:

Bonnie Wright, em seu Twitter:


“Se Harry Potter era uma fonte de amor e pertencimento para você, esse amor é infinito e existe para ser levado sem julgamento ou pergunta. As mulheres trans são mulheres. Eu vejo e amo você, Bonnie x”

Emma Watson, em seu perfil no Twitter:


"Pessoas trans são o que elas dizem que são e merecem viver suas vidas sem serem constantemente questionadas ou ouvirem que não são quem elas são. Quero que meus seguidores saibam que eu e tantas outras pessoas no mundo vemos vocês, respeitamos vocês e amamos vocês por quem vocês são. Feliz mês do orgulho LGBT Mandando amor, bjs"

Chris Rankin, através de seu Twitter:


"Meus lindos, corajosos, fortes amigos trans e casa de #ChrisNess família. Nós te amamos. Eu não posso dizer o suficiente. Você é maravilhoso e merece ser tratado como tal. Por favor, saiba disso. Tenha orgulho de quem você é. Nós estamos orgulhosos de você."

Eddie Redmayne, em matéria na Variety:


"O respeito pelas pessoas trans continua sendo um imperativo cultural e, ao longo dos anos, venho tentando me educar constantemente. Esse é um processo em andamento. Como alguém que trabalhou com JK Rowling e membros da comunidade trans, eu queria deixar absolutamente claro onde estou. Eu discordo dos comentários de Jo. Mulheres trans são mulheres, homens trans são homens e identidades não binárias são válidas. Eu nunca gostaria de falar em nome da comunidade, mas sei que meus queridos amigos e colegas transexuais estão cansados ​​desse questionamento constante de suas identidades, que muitas vezes resulta em violência e abuso. Eles simplesmente querem viver suas vidas em paz, e é hora de deixá-los fazer isso."

Evanna Lynch, em sua conta no Twitter:


"Eu gostaria de não comentar os tweets de JKR porque parece impossível abordar esse assunto no Twitter, mas estou tão triste de ver pessoas trans se sentindo abandonadas pela comunidade de Harry Potter, então aqui vai o que penso. Imagino que ser trans e aprender a se aceitar e se amar é um desafio difícil o suficiente, e nós, como sociedade, não deveríamos aumentar essa dor. Sentir-se deslocado ou que você não é aceito por ser quem é, é o pior e mais solitário sentimento que uma pessoa pode experimentar, e eu não vou contribuir com a marginalização de mulheres e homens trans. Aplaudo a coragem que eles demonstram ao acolher uns aos outros, e eu acredito que devemos ouvir suas histórias, especialmente no mês do orgulho LGBT+. Pessoalmente não acredito que o Twitter seja o melhor lugar para ter essa conversa complexa, e deveríamos estar lendo artigos e memoirs, ouvindo podcasts e tendo conversas mais longas. Acho irresponsável discutir um tópico tão complicado no Twitter através de pensamentos fragmentados, e eu queria que a Jo não fizesse isso.Tendo dito isso, como amiga e admiradora de Jo, não posso esquecer quão amorosa e e generosa ela é. Estou triste de ver fãs reduzindo ela aos seus tweets e aparentemente desconsiderando seu incrível trabalho filantrópico e sua determinação em ajudar a humanidade. Vejo que ela ainda está lutando pelas pessoas vulneráveis. Não concordo com sua opinião de que mulheres cis são as mais vulneráveis nessa situação, e acho que ela está do lado errado deste debate. Mas isso não significa que ela perdeu toda sua humanidade. Neste exato momento, minhas menções são uma coleção tóxica e constante de gente se insultando, se abusando e chegando a lugar nenhum. Precisamos parar com a onda de bullying e de gente se apontando o dedo. No meio de tudo isso, não consigo esquecer de uma mulher que, há alguns meses, foi abusada e humilhada publicamente pela mídia e pessoas estranhas online e se suicidou, e como a gente parou e pensou ‘se for pra ser alguma coisa, vamos ser bondosos’. Onde está essa bondade incrivelmente necessária agora? É só pras pessoas com quem a gente concorda? Não acho que a ‘cultura do cancelamento’ seja saudável para ninguém. Na verdade, acho que é uma abordagem irreal e rasa de pensar sobre os problemas da humanidade. Como um amigo me disse hoje de manhã: ‘se deixássemos nossos amigos que são “diferentes de nós” para trás, apenas criaríamos um eco enorme que resultaria em nenhuma mudança ou melhora pro mundo. Precisamos ter amigos que pensam diferente da gente para podermos nos comunicar e entender melhor’. Eu entendo que as opiniões de JKR machucam muita gente, e que, como uma mulher cis, não compreendo inteiramente essa dor, e que é fácil para alguém como eu pedir para as pessoas serem bondosas. Acho que você deveria, com certeza, ter seu espaço: bloqueie e siga em frente. E guarde sua energia para quem você e ama e seu trabalho.Mas eu também acho que vítimas de opressão podem se curar melhor se não usarem a energia dos opressores para fazer bullying ou odiar pessoas que se opõem no debate. Sei muito bem como é encontrar consolo e uma sensação de pertencimento, uma sensação de “você não é estranho” em Harry Potter, e como isso foi importante para minha própria aceitação quando eu era criança. Fico mal de pensar que algumas pessoas trans se sintam como se isso tivesse sido tirado delas, ou que essa comunidade não é mais um lugar seguro. Mas o mundo de Harry Potter, o fandom, a comunidade, é literalmente feita de milhões de pessoas, e eu vou me esforçar para fazer ela ser inclusiva, porque mulheres trans são mulheres. Também acho que devíamos estar falando sobre isso em sessões de terapia, não brigando no Twitter. Espero que todos estejam tirando um tempo para sair das redes sociais e priorizando sua sanidade mental nesse momento que já é difícil o suficiente, quando estamos isolados dos nossos entes queridos e porque isso é muita coisa, e não vai ser resolvido no Twitter. Precisamos trabalhar nossa própria mente. Envio meu amor para as comunidades trans, principalmente nesse momento. Para mim, por causa de toda essa discussão, percebi que preciso ser uma ativista mais interseccional ao invés de focar apenas no veganismo, e estou evoluindo.Por enquanto, não vou continuar essa conversa no Twitter, e vou ficar offline, aprendendo a ouvir melhor.”

Daniel Radcliffe, em artigo publicado no site da "The Trevor Project", ONG que trabalha na prevenção ao suicídio na comunidade LGBTQ:


"Sei que certos meios de comunicação provavelmente vão querer pintar isso como uma briga entre JK Rowling e eu, mas isso não é realmente o que se trata, nem o que é importante agora. Embora Jo seja inquestionavelmente responsável pelo curso que minha vida seguiu, como alguém que tive a honra de trabalhar e continua contribuindo com o Projeto Trevor na última década, e apenas como ser humano, sinto-me obrigado a dizer algo a respeito neste momento.

As mulheres trans são mulheres. Qualquer declaração em contrário apaga a identidade e a dignidade das pessoas trans e vai contra todos os conselhos dados por associações profissionais de saúde que têm muito mais experiência nesse assunto do que Jo ou eu. De acordo com o Trevor Project, 78% dos transgêneros e jovens não binários relataram ter sido objeto de discriminação devido à sua identidade de gênero. É claro que precisamos fazer mais para apoiar pessoas trans e não-binárias, não invalidar suas identidades e não causar mais danos.

Ainda estou aprendendo a ser um aliado melhor; portanto, se você quiser se juntar a mim para aprender mais sobre identidades trans e não-binárias, consulte o Guia do Projeto Trevor para ser um aliado a jovens trans e não-binários. É um recurso educacional introdutório que abrange uma ampla gama de tópicos, incluindo as diferenças entre sexo e gênero, e compartilha as melhores práticas sobre como apoiar pessoas trans e não-binárias.

Para todas as pessoas que agora sentem que sua experiência com os livros foi manchada ou diminuída, lamento profundamente a dor que esses comentários lhe causaram. Eu realmente espero que você não perca totalmente o que era valioso nessas histórias para você. Se esses livros lhe ensinaram que o amor é a força mais forte do universo, capaz de superar qualquer coisa; se eles lhe ensinaram que a força é encontrada na diversidade e que ideias dogmáticas de pureza levam à opressão de grupos vulneráveis; se você acredita que um personagem em particular é trans, não-binário ou fluido de gênero, ou que é gay ou bissexual; se você encontrou alguma coisa nessas histórias que permaneceu com você e o ajudou a qualquer momento da sua vida - isso está entre você e o livro que você lê, e é sagrado. E na minha opinião ninguém pode tocar nisso.

Ame sempre,
Dan."

Nenhum comentário:

Postar um comentário