sábado, 12 de julho de 2014

Memórias póstumas de Severus Snape



Severus Snape. Exímio professor de poções, mestre na defesa contra as artes das trevas e legilimente nas horas vagas. Claro que ultimamente eu tenho me reduzido a babá do Potter e daqueles dois insolentezinhos, o senhor Weasley e a Srta Granger.

Clique em mais informações pra continuar lendo.


Algumas vezes parece que eles apostam quem consegue me irritar mais, uma irritante sabe-tudo ou um ruivo que, quando a luz bate no cabelo falta deixar a todos cegos e, antes fosse só isso, aquele tal de Ronald Weasley está convencido de que eu tenho algum pacto ou presto serviços ao Lorde Voldemort, primeiro me acusando de tentar roubar aquela maldita pedra filosofal que não sei por que diabos o senhor Nicolau Flamel e o Prof Dumbledore criaram, uma vez que tiveram que destruí-la posteriormente.

Já aquela senhorita Granger é a mais moderada do trio, embora teime em responder todas as perguntas que faço sem ser chamada, a garota pondera pela assimilação real dos acontecimentos. Estou aguardando o dia em que aquele cabelo ficará mergulhado no caldeirão de poções acidentalmente, de tão volumoso e desgrenhado que é. Uma garota sem prioridades que tem o coração tão velho quanto o de uma solteirona (palavras se Sibila Trelawney).

E o garoto Potter (Potter Fede) não nenhum talento e é tão preguiçoso e arrogante quanto pai. Parece que gosta muito da fama que tem e não faz questão de prestar atenção em minhas aulas, enquanto eu arrisco minha vida todos os dias protegendo-o. E para quê? Para ele conspirar com seus amiguinhos contra mim, enquanto Dumbledore o mantém vivo para que ele morra no momento certo, criando-o como um porco para o abate.

Isso tudo sem falar nas inúmeras conspirações que fizeram contra mim durante todos esses anos, e ainda tem aquele tal de Neville Longbottom que é mais tapado que elfo doméstico bêbado, sempre perdendo aquele sapo verruguento e tão desastrado que é capaz de não terminar o sétimo ano vivo. Juro que ainda uso aquele sapo como ingrediente de minhas poções.

Mas vejam só o final que isso tudo levou: um professor de Hogwarts que protegeu o menino que sobreviveu, que se arriscou como espião duplo para garantir que o garoto se tornasse O Escolhido (The Chosen One) e que morreu nas presas de uma cobra de estimação de um bruxo cego na busca pelo poder e, diga-se de passagem, pela imortalidade. Pois apenas um poderia viver para sempre.


E no final, o para sempre nem é tanto tempo assim. Deixo nesse site minhas memórias póstumas. Não que elas sejam da conta de vocês. Agora, abram na página 394. 

Recentes

recentposts

Leia também!

randomposts