segunda-feira, 14 de março de 2016

Pottermore: conheça a história de um dos personagens mais incríveis de Harry Potter, Remo Lupin!




Remo Lupin é um dos personagens mais cativantes da saga Harry Potter. Além de toda a bondade e generosidade já conhecidas, sua biografia revelou-nos muitos detalhes de sua história de vida que nos permitiram consagrá-lo como um herói. Confira a seguir a nossa tradução desse texto escrito por J.K. Rowling e publicado no Pottermore.


_____________________________________________________________________________



Remo Lupin 


Por J.K. Rowling



Pais 


Remo Lupin era filho único do bruxo Lyall Lupin e sua esposa trouxa, Hope Howell. 

Lyall Lupin era um homem muito inteligente e um pouco tímido que, aos 30 anos, tornara-se uma autoridade mundialmente conhecida no departamento de Aparições Espirituais Não-Humanas. Isso inclui fantasmas, bichos-papões e outras criaturas estranhas que, mesmo tendo aparência e comportamento fantasmagóricos, nunca foram realmente vivos e são um mistério até mesmo para o mundo bruxo. 



Em uma viagem investigativa à uma densa Floresta Galesa, na qual um bicho-papão supostamente se escondia, à espreita, Lyall encontrou sua futura esposa. Hope Howell, uma linda garota trouxa que trabalhava em um escritório em Cardiff, resolveu fazer uma caminhada que parecia-lhe perfeitamente segura pela floresta. Bichos-papões e fantasmas podem ser sentidos por touxas e Hope, uma pessoa particularmente imaginativa e sensível, convenceu-se de que havia algo a observando por trás das árvores. No fim, sua imaginação foi tão além que o bicho-papão acabou assumindo uma forma: um homem grande, com olhar demoníaco, partindo para cima dela com um grunhido e estendendo suas mãos na penumbra. Ouvindo o grito da moça, Lyall começou a correr no meio das árvores, fazendo com que a aparição se tornasse um marshmallow com apenas um movimento de sua varinha. Hope, aterrorisada e confusa, pensou que o homem havia espantado seu possível agressor e suas primeiras palavras para ela - "está tudo bem, era apenas um bicho-papão" - não impressionaram-na. Reparando na beleza da moça, Lyall decidiu, inteligentemente, não falar mais sobre bichos-papões, afirmando que o "agressor" era enorme e assustador e que a coisa mais sensata a se fazer era que ele a acompanhasse até sua casa para protegê-la. 

LANÇAMENTO DE HARRY POTTER AND THE CURSED CHILD NO RJ: SAIBA MAIS

O jovem casal logo se apaixonou e nem mesmo quando Lyall admitiu, alguns meses depois, que Hope jamais estivera em perigo, ela perdeu seu encanto por ele. Para a sorte de Lyall, Hope aceitou seu pedido de casamento e começou a preparar, entusiasmada, os detalhes da cerimônia, na qual não poderia falta um bolo com um bicho-papão no topo. 


O filho único de Lyall e Hope, Remo, nasceu após um ano de casamento. Um garoto feliz e saudável, que mostrou logo cedo sinais de magia e que fez ambos os pais imaginarem que ele seguiria os passos de Lyall, indo estudar na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. 


Mordido 


Na época em que Remo completara quatro anos, a Magia Negra se espalhava por todos os cantos do país. Embora poucos soubessem quem estava por trás dos ataques, Lorde Voldemort ascendia ao poder pela primeira vez e os Comensais da Morte estavam recrutando todos os tipos de criaturas do mal para que se juntassem a ele na jornada para derrubar o Ministro da Magia. O Ministro pediu às autoridades das "criaturas do mal" - mesmo aquelas tão pequenas como bichos-papões ou fantasmas - para que o ajudassem a entender e conter a ameaça. Lyall Lupin estava entre os convocados a entrar no Departamento de Regulamentação e Controle das Criaturas Mágicas e aceitou o chamado de boa vontade. Foi nesse momento que ele ficou cara-a-cara com um lobisomem chamado Fenrir Greyback, que foi levado até lá por ter sido acusado de assassinar duas crianças trouxas. 


O Registro de Lobisomens era mal mantido. Eles eram evitados de tal maneira pela sociedade bruxa, que se privavam de entrar em contato com as pessoas, viviam em algo que descreviam como "alcatéias" e faziam de tudo para evitar serem registrados. Greyback, a quem o Ministro não sabia ser um lobisomem, disse ser apenas um mendigo trouxa que sentia-se honrado em estar em uma sala cheia de bruxos e horrorizado ao saber da notícia das pobres crianças que foram assassinadas. 


As vestes de Greyback e a ausência de sua varinha foram o suficiente para persuadir dois membros sobrecarregados e ignorantes, da comissão de julgamento, que ele estava falando a verdade, mas Lyall Lupin não fora facilmente enganado. Ele reconheceu certos sinais na aparência e no comportamento de Greyback e disse ao comitê que este deveria ser detido até a próxima lua cheia, que ocorreria vinte e quatro horas depois. 


Greyback manteve-se calado, ao passo que Lyall era zombado por seus colegas, membros do comitê ("Lyall, você só tem que se preocupar com bichos-papões da Floresta Galesa, nisso você é realmente bom"). Lyall, que costumava ser um homem muito educado, ficou muito aborrecido. Ele descreveu os lobisomens como pessoas "desalmadas, más e que mereciam nada além da morte". O comitê pediu que ele se retirasse da sala, o presidente se desculpou com o "mendigo trouxa" e Greyback foi liberado. 


O bruxo que conduzira Greyback até a saída do local, tinha a pretensão de lançar-lhe um feitiço de memória para que ele nunca mais se lembrasse que um dia estivera no Ministério. No entanto, antes que tivesse qualquer chance de colocar seu plano em prática, o bruxo fora desarmado pelo lobisomem e dois cúmplices que esperavam-no na entrada, e os três fugiram. 


Greyback não perdeu tempo em contar para seus amigos como Lyall Lupin tinha os descrito. A vingança contra um bruxo que dissera que "lobisomens não mereciam nada além da morte" seria rápida e brutal. 

Pouco antes do aniversário de 5 anos de Remo Lupin, enquanto ele dormia pacificamente em sua cama, Fenrir Greyback forçou a janela, entrou no quarto e atacou o garoto. Lyall chegou ao recinto a tempo de salvar a vida de seu filho, colocando o lobisomem para fora de sua casa com uma grande quantidade de feitiços poderosos. Porém, a partir daquele momento, Remo tornara-se também um lobisomem. 



Lyall Lupin jamais se perdoara pelas palavras ditas frente a Greyback no dia do inquérito: "desalmado, mau e que merecia nada além da morte". Ele apenas dissera o que todos pensavam sobre lobisomens na comunidade. Mas seu filho tornara-se o que ele sempre fora - inteligente e encantador - exceto por aquele período terrível de lua cheia, no qual ele sofria uma transformação dolorosa e tornava-se uma ameaça a todos com quem convivia. Por muitos anos, Lyall escondera a verdade sobre o ataque - incluindo a identidade do atacante - de seu filho, temendo que Remo fosse recriminado. 


Infância 


Lyall fez tudo o que pode para encontrar uma cura, mas nem poções, nem feitiços puderam ajudar seu filho. Daí em diante, a vida da família Lupin estava dominada pela necessidade de esconder a condição de Remo. Eles se mudaram do vilarejo para a cidade quando os boatos sobre o comportamento estranho do garoto se iniciaram. Bruxos e bruxas de seu convívio notaram o quão pálido Remo ficava quando chegava a lua cheia, isso sem mencionar seus desaparecimentos mensais. 


Enquanto Remo era pequeno, não era difícil contê-lo durante sua transformação: uma sala trancada e alguns feitiços silenciadores geralmente eram o suficiente. No entanto, conforme ele foi crescendo, seu "lado lobisomem" também foi e aos dez anos ele já era capaz de derrubar portas e estraçalhar janelas. Feitiços ainda mais poderosos foram necessários para conter o garoto e tanto Hope quanto Lyall ficavam cada vez mais preocupados e amedrontados. Eles amavam seu filho, mas sabiam que a comunidade - já fragilizada pela Magia Negra que os cercava - não seria tolerante com um lobisomem descontrolado. As esperanças que eles um dia tiveram para com seu filho, pareciam ter ido embora e Lyall decidiu educar Remo em sua própria casa, certo de que ele jamais seria capaz de estudar em alguma escola. 

Um pouco antes de Lupin completar seus onze anos, ninguém menos do que Alvo Dumbledore, diretor de Hogwarts, chegou na casa da família Lupin sem ser convidado. Confusos e amedrontados, Lyall e Hope tentaram impedir sua entrada, mas, de alguma maneira, cinco minutos depois, Dumbledore sentava-se à lareira, comendo pães de minuto e jogando Gobstones com Remo. 



Dumbledore explicou aos Lupin que ele sabia o que havia acontecido com seu filho. Greyback não se preocupou em expor o que fizera e Dumbledore tinha espiões que perseguiam criaturas do mal. Porém, o diretor disse à família Lupin que ele não via razões para que Remo não fosse à escola e descreveu o ambiente seguro que preparara para que o garoto realizasse suas transformações. Devido ao preconceito generalizado com lobisomens, Dumbledore concordou que, para a segurança de Remo, sua condição não deveria ser revelada. Uma vez a cada mês, ele iria para uma casa confortável no vilarejo de Hogsmeade, protegida por diversos feitiços e acessada apenas por aqueles que conheciam o caminho - uma passagem subterrânea no território de Hogwarts - onde ele poderia se transformar em paz. 


A empolgação de Remo era maior do que qualquer outro sentimento que ele já tivera. Era um grande sonho para ele conhecer outras crianças e, pela primeira vez na vida, fazer grandes amizades. 


Escola 

Selecionado para a Grifinória, Remo Lupin fez amizades logo de cara com dois garotos divertidos, confiantes e rebeldes, Tiago Potter e Sirius Black. Eles foram atraídos pelo senso de humor de Lupin e principalmente por sua bondade, característica que eles valorizavam, embora as vezes não as possuíssem. Remo, sempre amigo dos oprimidos, conheceu o pequeno e lerdo Pedro Pettigrew, também grifinório, a quem Tiago e Sirius talvez não tivessem dado atenção se não fosse a insistência de Lupin. Rapidamente, esses quatro tornaram-se inseparáveis. 

Remo representava a consciência do grupo, mas, ocasionalmente, essa consciência era um pouco falha. Ele não aprovava o bullying que seus amigos faziam com Severo Snape, mas amava tanto Tiago e Sirius e era tão grato por eles o terem aceitado, que ele não os repreendia tanto quanto deveria. 



Inevitavelmente, seus três melhores amigos rapidamente perceberam que havia algo estranho diante das desaparições mensais de Lupin. Convencido por sua infância solitária que seus amigos iriam abandoná-lo quando soubessem que ele era um lobisomem, Remo inventara diversas desculpas para justificar seus desaparecimentos. Tiago e Sirius descobriram a verdade no segundo ano. Para a gratidão de Lupin, eles não apenas continuaram a ser seus amigos, como também descobriram um método genial de acompanhá-lo quando ele tinha que se isolar para a transformação. Eles também deram-lhe um apelido que o acompanharia para o resto da vida escolar: "Aluado". Remo terminou a escola como um representante de turma. 

A Ordem da Fênix 



Na época em que os quatro amigos deixaram a escola, a ascendência de Lord Voldemort estava quase completa. A única resistência concreta a ele, fora concentrada na Ordem da Fênix - uma organização secreta - à qual os quatro homens se juntaram. 


A morte de Tiago Potter, junto com sua esposa Lílian, nas mãos de Lord Voldemort, foi um dos acontecimentos mais traumáticos na vida já conturbada de Lupin. Seus amigos significavam tudo para ele, porque fora difícil aceitar o fato de que muitas pessoas o tratariam como "o intocável" e ele pensava não ter qualquer possibilidade de casar-se e ter filhos algum dia. Para piorar, em menos de vinte e quatro horas, ele também perdeu seus outros dois melhores amigos. Remo estava no norte do país, em uma missão da Ordem da Fênix, quando ouviu a terrível notícia de que um deles havia assassinado o outro e estava agora em Azkaban, um traidor da Ordem e de Tiago e Lílian. 


A queda de Voldemort, fonte de alegria para o resto da comunidade mágica, marcou o início de um período de solidão e tristeza para Remo. Ele perdera seus três amigos mais próximos e, com a Ordem dissolvida, seus colegas retornaram para suas vidas agitadas com suas respectivas famílias. Sua mãe já havia morrido e embora Lyall, seu pai, ficasse sempre muito feliz em revê-lo, Remo se recusava a colocá-lo em perigo, retornando a morar com ele. 


Remo agora vivia apenas com aquilo que era necessário para sua sobrevivência, aceitando empregos que eram muito aquém de suas habilidades e sabendo sempre que ele teria que largá-los antes que algum colega de trabalho notasse seu comportamento estranho durante a lua cheia. 


A Poção de Acônito 


Um dos descobrimentos da comunidade bruxa deu a Lupin esperança: a Poção de Acônito. Embora não evitasse que um lobisomem perdesse sua humanidade uma vez por mês, essa poção restringia a transformação dele a um lobo comum e sonolento. Era o maior medo de Lupin matar alguém quando estivesse fora de si. Porém, a Poção de Acônito era complexa e os ingredientes muito caros. Remo não teve chance de conseguir uma amostra dela sem ter que revelar sua identidade e, portanto, teve que continuar com sua vida solitária e itinerante.

A volta a Hogwarts

Mais uma vez, Alvo Dumbledore mudou o curso da vida de Remo Lupin quando o rastreou e o encontrou em um casebre semiabandonado e em ruínas em Yorkshire. Encantado de ver o Diretor, Remo ficou maravilhado quando Dumbledore o ofereceu o cargo de professor de Defesa Contra as Artes das Trevas. Ele só se deixou persuadir quando Dumbledore lhe disse que haveria um estoque ilimitado de Poção Mata-Cão, cortesia do professor de Poções, Severo Snape. 



Em Hogwarts, Remo se revelou um talentoso professor, com uma paixão rara por sua matéria e entendimento profundo de seus alunos. Ele foi, como sempre, atraído particularmente pelos oprimidos, e tanto Neville Longbottom quanto Harry Potter se beneficiaram de sua sabedoria e bondade. 


Entretanto, o antigo defeito de Remo estava ativo. Ele tinha sérias suspeitas com relação a um de seus velhos amigos, um conhecido fugitivo, mas não compartilhou-as com ninguém em Hogwarts. Seu desejo desesperado de pertencer e ser gostado significaram que ele não foi tão corajoso nem tão honesto quanto deveria ter sido. 


Uma infeliz combinação de circunstâncias se deu e, como resultado, Remo passou por uma verdadeira transformação em lobisomem dentro dos terrenos da escola. O ressentimento de Severo Snape, nunca diminuído pela educação e pelo respeito com que Remo havia passado a tratá-lo, garantiu que se tornasse amplamente conhecido o que o professor de Defesa Contra a Arte das Trevas era. Remo se sentiu obrigado a pedir demissão e deixou Hogwarts mais uma vez. 


Casamento


Com a nova ascensão de Lorde Voldemort, a antiga resistência se reagrupou e Remo se viu novamente fazendo parte da Ordem da Fênix. 


Dessa vez, o grupo incluía uma Auror que era muito jovem para pertencer à Ordem em sua primeira formação. Esperta, corajosa e engraçada, Ninfadora Tonks, com seus cabelos rosa, era protegida de Alastor “Olho-Tonto” Moody, o Auror mais durão experiente de todos. 


Remo, tão frequentemente melancólico e solitário, primeiro achou divertido, depois ficou impressionado e então foi seriamente desbaratado pela jovem bruxa. Ele nunca havia se apaixonado antes. Se isso tivesse acontecido em tempos de paz, Remo teria simplesmente se retirado para outro lugar e outro trabalho, para não ter que sofrer a dor de ver Tonks se apaixonar por um bruxo belo e jovem do escritório de Aurores, que é o que ele esperava que fosse acontecer. Entretanto, esses eram tempos de guerra; ambos eram necessários na Ordem da Fênix e ninguém sabia o que o dia seguinte iria trazer. Remo sentiu que havia uma justificativa para ficar exatamente onde estava, guardando seus sentimentos para si mesmo, mas ficando secretamente feliz sempre que alguém o juntava com Tonks para alguma missão que durasse a noite toda. 


Nunca ocorreu a Remo que Tonks pudesse retribuir seus sentimentos, porque ele havia se acostumado completamente a se considerar sujo e indigno. Uma noite em que eles estavam escondidos do lado de fora da casa de um conhecido Comensal da Morte, depois de um ano de uma amizade gradativamente mais calorosa, Tonks fez um comentário bobo sobre um dos amigos deles da Ordem (‘Ele continua bonito, não continua, mesmo depois de Azkaban?’). Antes de conseguir se segurar, Remo respondeu amargamente que imaginava que ela havia se apaixonado por seu velho amigo (‘Ele sempre conseguiu as garotas.’). Com isso, Tonks ficou repentinamente com raiva. ‘Você saberia perfeitamente por quem eu me apaixonei se você não estivesse tão ocupado sentindo pena de si mesmo para notar. ’ 


A reação imediata de Remo foi uma felicidade que ele nunca tinha experimentado em sua vida, mas ela se extinguiu quase imediatamente por um senso de dever esmagador. Ele sempre soube que não poderia se casar e correr o risco de passar adiante sua dolorosa e vergonhosa condição. Portanto, ele fingiu não entender, o que não a enganou de forma alguma. Mais sábia que Remo, Tonks tinha certeza de que ele a amava, mas que estava se recusando a admitir, achando que estava sendo nobre por isso. Entretanto, ele evitou quaisquer outras missões cunjuntas, mal falava com ela e começou a se voluntariar para as missões mais perigosas. Tonks ficou desesperadamente infeliz, convencida não apenas de que o homem que ela amava nunca passaria tempo com ela por vontade própria, mas também de que ele preferiria andar de encontro à própria morte que admitir seus sentimentos. 


Tanto Remo quanto Tonks lutaram contra Lord Vodemort e seus Comensais da Morte no Departamento de Mistérios, uma batalha que resultou na exposição pública do retorno de Voldemort. A perda do último de seus amigos de escola durante essa batalha não ajudou em nada a diminuir a crescente atitude autodestrutiva de Remo. Tonks podia apenas observar, em desespero, enquanto ele se voluntariava para espionar pela Ordem, indo viver entre outros lobisomens para tentar persuadi-los a ir para o lado de Dumbledore. Ao fazer isso ele estava se expondo a possíveis represálias do lobisomem que havia mudado sua vida para sempre, Fenrir Greyback.


Remo ficou face a face tanto com Fenrir quanto com Tonks em Hogwarts, apenas um ano depois, quando a Ordem entrou em um confronto com os Comensais da Morte dentro do castelo. Durante essa batalha, Remo perdeu ainda outra pessoa que ele amava: Alvo Dumbledore. Dumbledore era adorado por todos os membros da Ordem da Fênix, mas para Remo ele havia representado o tipo de bondade, tolerância e compreensão que ele não havia recebido de ninguém no mundo fora seus pais e seus três melhores amigos; além disso, ele havia sido o único homem a lhe oferecer um trabalho normal dentro da sociedade bruxa. 


Após a sangrenta batalha e inspirada pela afirmação de amor de Fleur Delacour por Gui Weasley, – que havia sido ferozmente atacado por Greyback - Tonks fez uma corajosa e pública declaração de seus sentimentos por Remo, que foi forçado a admitir a força de seu amor por ela. Apesar de continuar com o receio de estar agindo de forma egoísta, Remo se casou com Tonks em uma cerimônia discreta no norte da Escócia, tendo como testemunhas os clientes da taverna local. Ele continuou temendo que o estigma ligado a ele pudesse afetar sua esposa e não queria nenhuma festança por causa dessa união; ele constantemente alternava entre felicidade extrema por estar casado com a mulher dos seus sonhos e terror do que talvez pudesse trazer para os dois.


Paternidade


Com algumas semanas de casamento, Remo percebeu que Tonks estava grávida e todos os medos que alguma vez sentiu voltaram. Ele estava certo de haver passado sua condição para uma criança inocente e de ter condenado Tonks à mesma vida de sua mãe, sempre se mudando, incapaz de se fixar em um lugar, tendo que esconder de vista seu filho incrivelmente violento. Cheio de remorso e recriminando a si mesmo, Remo fugiu, deixando para trás uma Tonks grávida, indo em busca de Harry e se oferecendo para acompanhá-lo em qualquer aventura que desafiasse a morte que o aguardasse. 


Para o choque e desprazer de Remo, Harry, em seus 17 anos, não apenas declinou sua oferta, mas ficou com raiva e o insultou. O garoto disse ao seu ex-professor que o mesmo estava agindo de forma egoísta e irresponsável. Remo respondeu com uma violência que não lhe era característica e saiu batendo a porta, indo se refugiar em um canto do Caldeirão furado, onde ficou bebendo, completamente furioso. 


Entretanto, depois de algumas horas refletindo, Remo foi forçado a aceitar que seu ex-aluno havia acabado de lhe ensinar uma lição valiosa. Thiago e Lílian, Remo pensou, haviam ficado com Harry mesmo na hora de suas próprias mortes. Seus próprios pais, Lyall e Hope, haviam sacrificado sua paz e segurança para manter a família junta. Amargamente envergonhado, Remo saiu da estalagem e voltou par sua esposa, pediu perdão e garantiu que, o que quer que viesse a acontecer, ele nunca a abandonaria novamente. Pelo resto da gravidez de Tonks, Remo evitou participar de missões da Ordem da Fênix e proteger sua esposa e seu filho ainda não nascido se tornou sua prioridade. 


O filho dos Lupin, Ted Lupin, recebeu esse nome em homenagem ao recém-falecido sogro de Remo. Para o alívio e a alegria de ambos os pais, o menino não mostrou nenhum sinal de licantropia ao nascer, mas herdou a habilidade de sua mãe de mudar de aparência quando quisesse. Na noite do nascimento de Ted, Remo deixou Tonks e o filho sob os cuidados de sua sogra rapidamente, para poder sair e encontrar Harry pela primeira vez desde o confronto raivoso entre os dois. Nesse momento, já tendo perdoado Harry, ele lhe pediu que fosse o padrinho de Ted, não sentindo nada além de gratidão pela pessoa que o havia mandado para casa, para a família que havia lhe dado sua maior alegria. 


Morte


Remo e Tonks voltaram a Hogwarts para a batalha final contra Voldemort, deixando seu pequeno bebê aos cuidados da avó. O casal sabia que se Voldemort vencesse essa batalha, sua família certamente seria eliminada: os dois eram membros notórios da Ordem da Fênix, Tonks era uma mulher marcada aos olhos de sua tia Comensal da Morte, Belatriz Lestrange, e seu filho era uma verdadeira antítese de um puro-sangue, tendo diversos parentes trouxas e um pouco de lobisomem. 


Tendo sobrevivido a vários encontros com Comensais da Morte e lutado habilidosa e bravamente para sair de muitos apertos, Remo Lupin encontrou seu fim nas mãos de Antônio Dolohov, um dos mais antigos, devotos e sádicos de todos os Comensais de Voldemort. Remo já não estava em sua melhor forma para lutar quando se juntou ao combate. Meses de inatividade, usando majoritariamente feitiços de dissimulação e proteção, haviam enfraquecido sua capacidade de duelar, e quando ele enfrentou um duelista com a destreza de Delohov, já endurecido pela batalha depois de meses matando e mutilando, as reações de Remo estavam lentas demais.


A Remo Lupin foi concedida, postumamente, a Ordem de Merlin, Primeira Classe, tendo ele sido o primeiro lobisomem a receber essa honra. O exemplo de sua vida e morte fez muito para diminuir o estigma contra lobisomens. Ele nunca foi esquecido por aqueles que o conheceram: um homem bravo e bondoso, que fez seu melhor em todas as circunstâncias difíceis e que ajudou muitos mais do que jamais se deu conta. 


Opinião de J.K. Rowling


Remo Lupin era um dos meus personagens favoritos em toda a série Potter. Eu me fiz chorar novamente ao escrever essa postagem, porque odiei tê-lo matado. 

A condição de Lupin, licantropia (ser um lobisomem), era uma metáfora para as doenças que carregam um estigma, como HIV e Aids. Diversos tipos de superstição parecem rodear as doenças transmitidas pelo sangue, provavelmente por causa dos tabus envolvendo o sangue em si. A comunidade bruxa é tão inclinada à histeria e ao preconceito quanto a comunidade trouxa, e o personagem de Lupin me deu uma chance de examinar essas atitudes. 


O Patrono de Remo nunca é revelado nos livros de Potter, ainda que seja ele quem ensina Harry a difícil e incomum arte de produzir um. Ele é, na verdade, um lobo – um lobo comum, não um lobisomem. Lobos são voltados para a família e não são agressivos, mas Remo não gosta a forma de seu Patrono, que é um lembrete constante de seu sofrimento. Todas as coisas lupinas o enojam e ele frequentemente produz um Patrono não-corpóreo deliberadamente, especialmente quando outros estão vendo. 

Tradução por: Bárbara Kultchek e Isabel Dain.

3 comentários:

  1. Muito obrigado Bárbara Kultchek e Isabel Dain, vocês me possibilitaram conhecer mais sobre meu personagem favorito, agradeço de todo coração.

    ResponderExcluir
  2. Eu me lembro de ter ficado mais chocado com a morte deles dois do que cheguei a ficar com a de Dumbledore. Foi tão de repente, tão inesperado. Tudo o que eu pensei foi: "O filho dele vai crescer sem os pais. Igual a Harry"

    ResponderExcluir
  3. Chorei muito com a morte de Remo e Tonks. Ele era o último amigo de Tiago

    ResponderExcluir

Recentes

recentposts

Leia também!

randomposts